A prefeitura de São Paulo lançou dias atrás a campanha Movimento pela vida segura no trânsito com o louvável objetivo de reduzir as mortes no trânsito paulistano que no ano passado chegaram a 849 (349 pedestres e 366 motociclistas ou suas garupas – foi a primeira vez que o número de motociclistas ultrapassou o número de pedestres mortos). Você deve ter visto um dos cartazes “849 vítimas fatais (sic) no trânsito” espalhados pela cidade.

O prefeito disse: “Quanto maior for o engajamento da população, melhor vai ser o resultado”. Por isso, aqui vai a minha contribuição.

Em primeiro lugar, o prefeito tem de usar a sua influência política para mudar a lei e mandar para a cadeia os infratores – assassino tem de ficar enjaulado. Tem, também, de trabalhar para mudar o exame de habilitação que não examina nem habilita, conforme expliquei no post Bolsonaro e a CNH.

Em segundo lugar, a prefeitura tem de parar de insistir nesse lero-lero de controle de velocidade. Eu também já estudei esse assunto no post Muita calma nessa área.

Em terceiro lugar, o maior problema do trânsito paulistano é o estresse causado principalmente pelos buracos e pela falta de sincronia entre os semáforos, o que causa engarrafamentos, lentidão e poluição.

Que tal a prefeitura começar pelo básico? Que tal tapar os buracos das ruas?

Já seria uma grande coisa!

***