O pandemônio que estamos vivendo tem como núcleo o medo da morte. O povo, que até pouco tempo atrás vivia sob a égide da diversão, agora se vê confrontado pela mais básica das realidades humanas.

Felizmente, não é o que ocorre com os três leitores deste blog. Aqui, enfrentamos com alegria a realidade da vida e meditamos serenamente no nosso destino eterno. Sob essa ótica, é hora de recordar o ensinamento do poeta.

*

Consoada

Quando a indesejada das gentes chegar

(Não sei se dura ou caroável),

Talvez eu tenha medo.

Talvez sorria, ou diga:

– Alô, iniludível!

O meu dia foi bom, pode a noite descer.

(A noite com os seus sortilégios.)

Encontrará lavrado o campo, a casa limpa,

A mesa posta,

Com cada coisa em seu lugar.

* * *