O anjo Gabriel disse a Maria “Alegra-te, cheia de graça”. Nossa Senhora se alegrou, e nós também. Finalmente deixávamos a escuridão e conhecíamos a luz do mundo. Nosso Senhor Jesus Cristo nos explicou como todas as coisas deviam funcionar.

E o mundo veio num crescendo, com os mártires e os santos, até chegar num ponto de inflexão na Idade Média quando deixamos de lado a busca pela verdade e abraçamos a aparência da verdade. Olavo de Carvalho diz que isso aconteceu quando foi escrito o regulamento da Universidade de Paris quando trocamos a santidade pelo diploma.

De lá para cá, o mundo vive do embalo que ganhou. Mas o embalo não dura para sempre. Veio a reforma protestante, veio a revolução industrial, veio o comunismo, veio o Pacto de Metz – a suprema traição à Nosso Senhor Jesus Cristo – veio a teologia da libertação. Perdemos o embalo e hoje estamos quase parados.

O Ocidente está paralisado por um simples vírus chinês. Os comunistas, ateus, nos colocaram de joelhos. Buscamos a saída pela medicina, pela economia e pela guerra cultural. Estamos inquietos e nos preocupamos com muitas coisas. Mas uma só coisa é necessária – a busca pela verdade de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Hoje, na Anunciação do Senhor, as igrejas estão fechadas e os pet shops estão abertos.

***