No dia 25 de agosto de 1991, um estudante de engenharia finlandês usou a Usenet para comunicar que estava elaborando um sistema operacional – “just a hobby” – e concluiu no post scriptum: “it probably will support anything other than AT-harddisks”.

A coisa foi bem diferente. Dentre incontáveis façanhas desse sistema operacional, vou citar apenas algumas. Em 2018, a IBM comprou a Red Hat, empresa de suporte Linux, pelo valor de 34 bilhões de dólares – o maior negócio da indústria de software. Os satélites da Starlink (internet via satélite de Elon Musk) rodam Linux. Android é Linux. Os 500 maiores supercomputadores do mundo rodam Linux.

Se a tecnologia tem permitido aos donos do mundo concretizarem os seus sonhos de controle (um pesadelo para nós), as distribuições Linux, por outro lado, têm contribuído para dar uma sobrevida à nossa minguante liberdade.

Feliz aniversário, Linux; vida longa!

***