Na live do BSM de 6a feira – Conservadores não podem existir -, Fábio Gonçalves perguntou a Olavo (a partir de 1h32′):

– O senhor acha que essa vitória política – precoce – [eleição do Bolsonaro] atrapalhou a proposta inicial da retomada pela Cultura?

– Eu acho que sim. O pessoal elegeu um presidente da república antes de ter formado uma militância, um partido, antes de ter massa disciplinada. Soltaram o presidente lá em cima para ele ser assassinado. E foi o que tentaram fazer e estão tentando até hoje. Eu acho – cá entre nós, sem querer meter o bedelho – eu acho que o Bolsonaro ficou meio doido. Pelo seguinte: a maldade dos inimigos – ele não estava preparado para tudo isso. Ele estava acostumado com a discussão parlamentar, de igual para igual, com um certo respeito. Quando ele chegou lá (na presidência), quiseram matá-lo, destruí-lo psicologica, social e fisicamente. Eu acho que ele ficou meio tonto e está se apegando ao mito das Forças Armadas. (…) Eu acho que ele está se apegando a um mito para manter a sua segurança interna. Só pode ser! Eu não acredito que ele esteja falando isso por mentira deliberada, por maldade… Não, não acredito! Ele é uma pessoa boa, bem intencionada, mas, sinceramente, acho que ele não está muito bem da cabeça; ele não está muito lúcido. E vai piorar… se continuar assim, vai piorar.

Não deixe de ver a live completa – ou pelo menos esse trecho, onde Olavo discorre sobre as Forças Armadas e sobre a profecia de Cimbres (Pernambuco).

* * *