Dória afirmou que não vai decretar lockdown por que não há policiais em número suficiente para segurar o povo em casa – uma boa desculpa depois do espetáculo de ontem protagonizado pelos PMs na Avenida Paulista. Vai, sim, colocar em prática a sua “quarentena inteligente” – seja lá o que isso signifique – a partir de 1° de junho.

Dória iniciou uma queda de braço com Bolsonaro que só vai acabar quando um dos dois cair. Dória não vai parar. Dória precisa ser parado.

O pedido de impeachment já está na ALESP à espera da atuação do presidente da Casa, Cauê Macris, filho do deputado federal Vanderlei Macris.

* * *