“É inadmissível morrer tanta gente no trânsito. A prefeitura está implementando as Áreas Calmas, vamos diminuir a velocidade, no trânsito somos todos responsáveis, vamos aumentar a fiscalização, estamos instalando novos radares…”

O motoboy não viu o buraco. Não viu porque não podia ver. Estava camuflado pela faixa de pedestres. Mesmo que não estivesse, a sua existência só podia ser notada bem de perto e olhando bem. O fato é que o motoboy nem viu o que o derrubou. Capotou e foi atirado longe.

Onde caiu, ficou.

O resgate demorou e o peito doía muito.

Quando foi colocado na maca, gritou de dor.

E a moto? E a mochila? E o celular? Nessas horas, o que não falta é gatuno.

“O trânsito da cidade vai se transformar em trânsito de Primeiro Mundo. Vamos dar preferência ao transporte público e ao transporte alternativo, estamos revitalizando as ciclovias… a fiscalização… os radares…”

E os filhos? E o aluguel? E o trabalho?

Na repartição pública, um burocrata ressonava…

***