O Brasil está no bico do corvo.

Para onde quer que olhemos, é só barbaridade, crime e destruição – consequências inevitáveis da substituição do Homem Deus pelo deus-homem.

Qualquer pessoa de boa vontade e um mínimo resquício de caridade, vê o sofrimento do povo e se sente compelido a fazer alguma coisa. Ao mesmo tempo, se sente uma formiguinha ante a imensidão de poder do adversário.

Por isso, a Marcha Pela Vida (amanhã, 14h, na avenida Paulista – em frente ao MASP) se apresenta como uma oportunidade impar para vermos e sentirmos que não estamos sozinhos. À semelhança das manifestações de 2015 e 2016, será uma manifestação conservadora (ou direitista, ou o nome da sua preferência), um raro evento de manifestação pública que não é organizada pela esquerda. Durante décadas, a esquerda teve o monopólio das ruas. É um alívio e uma benção termos uma oportunidade como essa. Além do mais, os infanticidas promotores do aborto, como todos os psicopatas, só têm dois sentimentos: ódio (que os leva a assassinar os seres mais inocentes e indefesos que existem) e medo. Temos que levar muita gente à rua para mostrar a eles que a imensa maioria da população brasileira gosta de criança.

“Tive fome e me destes de comer, tive sede e me destes de beber, era peregrino e me acolhestes, nu e me vestistes, enfermo e me visitastes, estava na prisão e viestes a mim”.

Agora, o Bebê Jesus está indefeso na barriga da Mãe.

***