Eu não era comunista; era apenas um idiota.

Humphrey Bogart

O comunismo é uma mentira anti-cristã baseada na criação de antagonismos e sustentada por uma rede de relacionamentos que conduz à doença mental e ao homicídio.

Se doente mental é a pessoa que perdeu a conexão com a realidade, então um comunista pode ser qualificado como tal já que ele não acredita que a realidade possa ser conhecida.

Para o comunista, não existe a verdade, só existe a matéria, e, portanto, o que resta é a ação revolucionária. “Práxis é o equivalente marxista da fé.” (Roger Scruton). Ação revolucionária, destruidora – “faça o mal e obterá o bem”. Todos malucos, evidentemente.

Se você quiser se aprofundar nessa doideira, leia:

Political Ponerology – A Science on the Nature of Evil Adjusted for Political Purposes – de Andrew M. Lobaczewski

The Liberal Mind: The Psychological Causes of Political Madness, de Lyle H. Rossiter

Les Folies raisonnantes – Le Délire d’interprétation, de Paul Sériex e Joseph Capgras (As loucuras raciocinantes, O Delírio de Interpretação). Tratado de 1909 no qual os autores, longe de discutir política, apenas descrevem um quadro clínico que corresponde exatamente à mente revolucionária (comentário de Olavo de Carvalho).

Para uma leitura mais recente da idiotice esquerdista, veja Fools, Frauds and Firebrands: Thinkers of the New Left, livro de Roger Scruton publicado em 2017.

***