Quando o assunto é aborto, as feministas reivindicam um tipo de reserva de mercado, uma exclusividade, dizendo que aborto só diz respeito à mulher. Meu corpo, minhas regras…

Ah, é?!

Mas… se metade dos fetos – abortistas evitam o uso das palavras bebês, crianças e quaisquer outras que sequer lembrem que o “feto” é um ser humano – é homem?

Mas… se o “feto” só existe porque um homem se uniu a uma mulher?

Além do mais, a lógica embutida nesse argumento permite dizer que a mulher não pode mandar o homem ficar quieto porque ela não faz parte do grupo masculino e, portanto, não pode opinar a respeito.

Um tipo de loop infinito ou raciocínio circular cujo fim é a loucura.

***