O menininho ficou doente e foi hospitalizado. No longo período de internação, fez amizade com uma enfermeira de nome Mercedes. Ele pediu à mãe que, se um dia tivesse uma irmã, ela ganhasse o nome da enfermeira.

Anos depois, num 24 de setembro, nasceu Mercedes, a florista da minha rua. Só então a família descobriu que ela nascera na festa de Nuestra Señora de Las Mercedes.

Não há coincidências no plano divino – há a Providência.

Nossa Senhora das Mercês é uma devoção nascida no século XIII na Espanha. A Virgem apareceu a São Pedro Nolasco e pediu a ele para libertar os cristãos escravizados pelos mouros.

O pedido de Maria continua atual. Hoje, a Europa está de joelhos frente à invasão islâmica. No afã de escravizar os cristãos, a ela se juntaram o comunismo russo-chinês e a Nova Ordem Mundial.

A missão de São Pedro Nolasco era resgatar os escravos mediante o pagamento em dinheiro. A nossa missão é muito mais difícil porque os nossos irmãos estão aprisionados em uma prisão muito pior do que a cadeia de tijolos e ferros: a prisão mental.

Os cristãos se tornaram prisioneiros dos próprios pensamentos – do politicamente correto, do multiculturalismo, do relativismo moral, da boa vida moderna, do ateísmo, da descrença, do nada. Para resgatá-los, temos que empenhar o nosso dinheiro, o nosso tempo e a nossa vida, oferecida em oração e sacrifício.

*

Afastai-vos de Mim, malditos! Estive na prisão e não me libertates!

***